Planejamento financeiro familiar: como projetar previdência da família

dinheiro - real - poupança


Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

Aposentadoria é um assunto que, infelizmente, ainda não é bem assimilado pela maioria da população brasileira. São poucas as pessoas que realmente se planejam para se aposentar de forma tranquila e sustentável. O problema maior é que só quando a pessoa está perto de se aposentar é que se atenta que os valores a serem recebidos pela previdência pública, ou INSS, farão com que haja uma drástica queda no padrão de vida. 

É claro que o INSS é de extrema importância, além de ser um direito do trabalhador. Mas não ter outra fonte de renda, como uma previdência privada, é muito arriscado, uma vez que os valores recebidos não são nada atraentes. Para se ter uma ideia, para ganhar R$2.000,00 mensais após se aposentar, é necessário contribuir com uma quantia maior que R$700,00 por mês, durante 30 anos.

Por isso, a importância de se pensar em uma previdência privada o quanto antes – inclusive para os filhos, se tiver. Ter uma aposentadoria tranquila deve ser um sonho de longo prazo, ou seja, que ocorrerá num prazo acima de dez anos. Quando o adulto tem essa consciência, fica mais simples colocar em prática ou mesmo ensinar às crianças.

Abaixo preparei dez orientações para preparar-se de forma sustentável sua aposentadoria: 

1. Reflita, se você não mais trabalhar e receber seu ganho mensal, por quanto tempo manteria seu atual padrão de vida? Lembrando que, se a resposta for de pouco tempo, chegou a hora de tomar definitivamente uma atitude;

2. Para se alcançar a independência financeira, ou seja, uma aposentadoria sustentável, deverá ter de ganho mensal de juros o equivalente ao dobro do custo de vida, por exemplo: ganho R$ 2.500,00, neste caso deverá ter um rendimento equivalente ao dobro, ou seja de R$ 5.000,00, com isso terá seu padrão de vida mantido resgatando somente metade dos rendimentos o restante ficará capitalizado na reserva acumulada;

3. É importante definir qual é a idade que pretende parar de trabalhar por necessidade e quanto de dinheiro deverá ter guardado para viver apenas do ganho de juros;

4. Sobre o tipo de aplicação, aconselho ter uma contribuição ao INSS sobre um salário mínimo, que possibilita alguns benefícios. Porém, é preciso ter uma previdência privada ou guardar dinheiro em uma linha de investimento que possibilite uma aposentadoria sustentável e segura;

5. Mesmo quando o cônjuge não trabalha fora, que é o caso da mulher que opta por cuidar dos filhos, da casa, dos compromissos domésticos, também é preciso que ela tenha seu próprio ganho mensal e para tanto terá que também ter sua previdência;

6. O ideal mesmo é começar muito cedo, oriento para que ao nascer um filho, logo no primeiro mês, já inicie sua previdência aberta ou seja junto com a certidão de nascimento também deveria iniciar os depósitos mensais;

7. Para fazer uma boa escolha na hora de contratar uma previdência privada é preciso saber que se trata de um sonho de longo prazo, acima de dez anos, e para tanto no orçamento mensal este dinheiro deverá ser retirado antes das despesas mensais;

8. Um dos pontos importantes ao escolher uma boa previdência privada são as taxas de carregamento e de administração, é preciso pesquisar e buscar em seguradoras, bancos as menores taxas, hoje muitas dessas instituições nem mesmo cobram taxas de carregamento e a de administração podem chegarem a 0,5% ao ano, opte também pelas grandes instituições, pesquise anualmente e compare, faça a portabilidade se necessário for até porque não há custos;

9. As previdências privadas VGBL ou PGBL são sem dúvidas atrativas e rentáveis, sendo que a PGBL é indicada para quem tem em seu rendimento retenção na fonte de imposto de renda. Porém, sempre recomendo comparar com outras aplicações, é preciso pesquisar;

10. Muitos são os cuidados, mas ressalto a importância de escolher por uma instituição financeira que tenha lastro, que seja de grande porte. Pelo menos uma vez por ano comparar com as previdências de outras instituições, lembrando que não se paga taxa sobre a portabilidade e essa deve ser aplicada se necessário for.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.



Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *